25 Nov, 2017 Última atualização em 1:26 PM, Nov 13, 2017

Diagnóstico aponta caminhos para o trânsito

Publicado em Centralidades Urbanas
Lido 3586 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Levantamento de tráfego realizado pela Tectran mostrou que grande parte do problema existente hoje tem como ponto de origem o trevo quatro folhas e que os entrelaçamentos existentes abaixo do complexo criam longos congestionamentos.

A mobilidade urbana é o grande desafio das cidades contemporâneas sustentáveis. A opção pelo automóvel para atender à necessidade de circulação, hoje deixou de ser a resposta eficiente diante do grande desenvolvimento das cidades. Para se ter uma ideia, nos últimos dez anos, a frota de automóveis e motocicletas do País teve crescimento de até 400%. E, embora o poder público esteja sempre difundindo boas práticas de transportes coletivos integradas - trens, VLTs, metrôs e outros - elas ainda não saíram dos discursos.

Com o objetivo de buscar uma solução de engenharia para a questão do trânsito e da mobilidade na Centralidade do Vila da Serra e Vale do Sereno, a Associação dos Empreendedores contratou um Estudo de Tráfego Ligação BH-NL, que propõe medidas mitigadoras do impacto viário decorrente da operação dos empreendimentos atuais e futuros no Vetor Sul da Região Metropolitana de BH.

Segundo informou Eduardo Cândido Coelho, diretor do Grupo Tectran, empresa especializada em consultoria de transporte e na logística de trânsito, “o estudo apontou como medidas suficientes o cancelamento do Portal-Sul, complexo de viadutos e trincheiras aprovados pelos órgãos públicos competentes, a realização de alterações pontuais no sistema viário local, e indicou a implantação do Diverging Diamond Interchange (DDI) e execução da Via 20 em duas etapas”.

Gargalo

O levantamento de tráfego realizado pela Tectran mostrou que grande parte do problema existente hoje tem como ponto de origem o trevo quatro folhas e que os entrelaçamentos existentes abaixo do trevo reduzem a capacidade de atendimento, criando longos congestionamentos. “A solução encontrada foi a DDI, pois trata-se de um intercâmbio em que os dois sentidos de tráfego cruzam a estrada para o lado oposto de ambos os lados em uma ponte ou rodovia”, explicou Eduardo. Segundo ele, o novo desenho de tráfego pode melhorar a eficiência de uma junção, como o tempo perdido para as várias fases do ciclo normal. “Dentre as principais características que legitimam a DDI como melhor opção está no fato de conseguir atender a capacidade máxima de atendimento mesmo quando solicitada por uma demanda superior à sua capacidade, o que não acontece com o trevo” explicou.

Ainda segundo Eduardo, a solução do DDI oferece custo benefício muito superior ao oferecido pelas soluções previstas nos estudos do Portal Sul. “É uma solução simples, com poucas intervenções, de fácil implantação, com custo baixo e curto prazo de implantação. A proposta do DDI já foi apresentada aos órgãos competentes, aguardando apenas a aprovação, o projeto executivo e o financiamento de sua implantação. Ela resolve perfeitamente o problema de inclusão do novo viaduto sobre a BR-356, de maneira geral. E é uma solução emergencial adequada até 2020, quando devem entrar outras obras para o conjunto – o anel leste (Via20) que ligará ao centro de Nova Lima, como uma alternativa para a MG-030.”

Esse projeto resolve inclusive o problema da crescente demanda de Nova Lima, Rio Acima e demais cidades da Região Metropolitana.

Jornal Belvedere

Artigos assinados são de inteira responsabilidade do autor. Não expressando, portanto, a opinião da redação do Jornal Belvedere.

Folhear Última Edição

271

 

Anuncie Aqui2016 05