25 Sep, 2017 Última atualização em 4:59 PM, Sep 12, 2017

Inverno, época de cuidar das plantas

Publicado em Casa & Jardim
Lido 823 vezes
Avalie este item
(0 votos)

É no inverno que a maioria das plantas entram em período de dormência, ou seja tem seu metabolismo reduzido para enfrentar o frio da estação e ficar forte e em plena atividade na primavera.

A natureza é tão perfeita que algumas plantas chegam a perder algumas folhas para diminuir suas atividades como a evaporação e, dessa forma armazenar água nos dias mais frios desta época, geralmente secos e sem chuva. Algumas plantas apresentam a mudança na coloração de suas folhas e isso acontece porque elas diminuem a produção de clorofila em função da pouca incidência do sol.

Mas, o que é importante mesmo falar é dos cuidados que as plantas precisam receber agora com a chegada do inverno. É hora de retirar os galhos e folhas secas e doentes, mas sem realizar uma poda mais rigorosa. A boa poda geralmente é realizada na lua nova de agosto.  Outro cuidado a ser observado é com relação às regas, que precisam ser  mais escassas. Com o tempo frio e pouco sol, a água tende a evaporar mais lentamente e o excesso de água poderá prejudicar as raízes, chegando até a apodrecê-las.

Quem dá a dica é o florista Antônio Sena, 85 anos, que praticamente dedicou a vida inteira para cuidar de plantas ornamentais e árvores frutíferas. Mãos de ouro de canteiros e em ornamentações grandiosas, ele comenta que é comum nesta época o aparecimento de pragas. “Algumas lagartinhas eclodem de ovos e fazem a festa nas plantas, há também caramujos, pulgões e outros fungos que atacam as plantas chegando a sugar toda sua força.  Nesse momento, o correto é pulverizar estas plantas com um produto recomendado por um agrônomo, e não esquecer que estes produtos são sempre tóxicos, por isso todo cuidado é pouco”, recomenda Sr. Antônio.

Ainda segundo o florista, o inverno é uma estação para o descanso e a preguiça das plantas, e por isso não é recomendado qualquer tipo de adubação. “O máximo que deve ser feito é a correção do solo – quando for o caso – com calcário ou a aplicação de adubo orgânico bem curtido, que pode ser de galinha ou de restos de folhas e compostagem de alimentos. O adubo químico poderá matar a planta, pois ele reage estimulando o broto e isso acaba cansando a planta. Na próxima estação ela estará fraca, sem vida”, explicou.

Ele chama a atenção para os cuidados com os gramados nesta época. Nada de podar a grama com muita vontade, pois ela não voltará com tanta vitalidade na próxima estação. “Em algumas cidades, como Vasconcelos, Ressaquinha e Barbacena, onde caem geadas nas extensas plantações de rosas, os cuidados precisam ser redobrados. Em canteiros com plantas miúdas ou pequenas, o ideal é cobrir toda a extensão com galhos secos de coqueiro, com o resto de podas de grama já seca, ou outra proteção. A geada chega a queimar a planta e muitas não resistem a tanto frio”, ensina o florista.

Para ele, aqueles que não quiserem esperar a lua nova de agosto, podem podar as plantas maiores na lua minguante de julho. “Mas, nunca faça a poda sem cuidar da terra ao redor do caule ou da raiz. Afofe bastante a terra ao redor destas plantas, coloque apenas adubo orgânico e aí sim faça uma rega para promover a absorção pelo solo. Para aquelas plantas que vão florescer na primavera, a poda só poderá ser feita em agosto”, alerta Sr. Antônio.

Outro cuidado observado por ele é com relação às orquídeas que precisam de um tempo, sem muita água, e com muito ‘não-me-toque’. “Orquídeas não gostam de muita movimentação, elas morrem por excesso de cuidado que por falta dele. Se for adubar, faça com cuidado, sem exageros, com paciência e cautela.

A natureza tem seu tempo e este é bem diferente do nosso. Elas precisam desse tempo para as transformações e produzir as belezas que saltam aos nossos olhos. Com calma, cada um pega o jeito certo para cuidar das plantas e, com isso, ganha um mundo de beleza, de cores e de realização”, explica Antônio Sena.

 

Curiosidades

Há plantas que florescem em pleno inverno e criam um colorido especial nos jardins. Quem cultiva conhece de perto estas belezas. São elas: a esponjinha, os ipês Rosa e amarelo, as orquídeas Cymbídium, as glicínias, as madre-silvas, o amor-perfeito, os jasmins e as azaleias.  

Tipos de fertilizantes orgânicos
• Fertilizantes orgânicos simples: fertilizante de origem animal ou vegetal. Exemplos: estercos animais, torta de mamona, borra de café.
• Fertilizantes orgânicos mistos: produto da mistura de dois ou mais fertilizantes orgânicos simples. Exemplo: cinzas (fonte principalmente de K) + torta de mamona (fonte principalmente de N).
• Fertilizantes orgânicos compostos: fertilizante não natural, ou seja, obtido por um processo químico, físico, físico-químico ou bioquímico, sempre a partir de matéria-prima orgânica, tanto vegetal como animal. Pode ser enriquecido com nutrientes de origem mineral. Exemplos: composto orgânico, vermicomposto (húmus de minhoca).

BIOFERTILIZANTES
Como adubo foliar e para aumentar a resistência contra pragas e moléstias. A calda biofertilizante vem sendo muito empregada ultimamente na agricultura ecológica. A razão é que tem demonstrado efeito no aumento da resistência às pragas e moléstias e como adubo foliar orgânico benéfico para inúmeras plantas.

ÁGUA + ESTERCO
Numa lata de 20 litros, colocar esterco de curral , esterco de galinha e açucar . Completar com água, deixando um espaço de 8 a 10 centímetros antes da borda acima, para evitar transbordar.
 Fechar muito bem a boca da lata, vedando com um saco plástico bem amarrado. Deixar fermentar. A calda pronta deve ser diluída, misturando 1,0 litro da calda obtida para cada 10 litros de água.

ÁGUA + ESTERCO + CAPINS
Num tambor colocam-se de esterco fresco e capins picados + água. Adicionando açucar ou melaço favorece a fermentação.A fermentação leva de 20 a 40 dias, obtendo uma calda, que deve ser diluída. Para cada litro de biofertilizante pode se misturar 1, 2 ou 3 litros de água. Quanto mais diluída menor será o efeito defensivo.
(Fonte: Embrapa)

Jornal Belvedere

Artigos assinados são de inteira responsabilidade do autor. Não expressando, portanto, a opinião da redação do Jornal Belvedere.

Mais nesta categoria: Para comemorar a Primavera »

Folhear Última Edição

267

 

Anuncie Aqui2016 05