21 Jul, 2017 Última atualização em 4:44 PM, Jul 12, 2017

Apac de Nova Lima tem universidade para recuperandos

Publicado em Cidadania
Lido 325 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Unidade é a primeira universidade dentro do sistema penitenciário construída pelo Estado, com ajuda dos próprios recuperandos. Serão oferecidos cursos de formação e capacitação para 86 internos. Também foi lançada a pedra fundamental para a construção da Apac Feminina.

Ao completar 13 anos de existência, a Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac) de Nova Lima comemorou, no último dia 30 de junho, a inauguração da Universidade Aberta e Integrada de Minas Gerais (Uaitec) para os recuperandos. Também foi lançada a pedra fundamental para a construção da Apac Feminina, ao lado do prédio já existente.

A iniciativa é do Governo do Estado, por intermédio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes)  que assim cria em Nova Lima, pela primeira vez, uma Universidade Aberta Integrada de Minas Gerais que vai funcionar dentro de uma Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac).

O objetivo é estimular a capacitação técnica e educacional no ambiente carcerário com vistas à profissionalização e posterior ressocialização dos recuperandos, contribuindo para a ampliação da política pública de geração de renda no ambiente prisional, por meio do estímulo ao trabalho e inserção de cursos profissionalizantes e de empreendedorismo.

No prédio construído pelos próprios recuperandos, totalizando 170 metros quadrados de construção, divididos em dois auditórios de arena, uma sala de ensino a distância e outras instalações administrativas, serão oferecidos 93 cursos, nas áreas de formação tecnológica, graduação e pós-graduação. Serão cursos técnicos, tecnólogos, graduação, pós-graduação e MBA na modalidade de ensino à distância, fruto de uma parceria com o Governo de Minas, que oferecerá cursos profissionalizantes e de empreendedorismo. Para ofertar os cursos, foram firmados convênios com universidades do Brasil e de países estrangeiros, como as de Harvard, Massachuchetts, Institute of Technologogy (MIT), Yale, Stanford e USP.  Além dos recuperandos, os seus familiares e funcionários da Apac, do Fórum de Nova Lima, do Ministério Público e do presídio de Nova Lima também poderão se beneficiar dos cursos.

Estiveram presentes na solenidade de inauguração do espaço o subsecretário de Ensino Superior da Sectes, Márcio Rosa Portes, acompanhado do prefeito de Nova Lima, Cassio Magnani, do Ouvidor Geral do Estado, Fábio Caldeira, do secretário de Direitos Humanos, Nilmário Miranda, e do juiz da Vara Criminal e da Infância e Juventude, Juarez Morais de Azevedo. “Queremos uma educação inovadora. Cursos de boa qualidade com parcerias entre as universidades estaduais serão ofertados”, destacou o subsecretário Márcio Rosa Portes.

O Secretário de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania de Minas Gerais, Nilmário Miranda, lembrou que “não existe a Apac sem o apoio de todos. A Apac  simboliza o Brasil que a gente quer, de cooperação; é uma demonstração que é possível viver sem ódio. Que cada um pode reconstruir seu projeto de vida, é a conspiração pelo bem”.

Apac Feminina, a próxima etapa

Também foi lançada a pedra fundamental para a construção da unidade feminina da Apac, que está prevista para ser inaugurada no primeiro semestre de 2016. A unidade permitirá às mulheres condenadas pela Justiça da Comarca a cumprirem suas penas na própria cidade. Essa iniciativa contribuirá também para desafogar o sistema carcerário mineiro. O projeto, que é na verdade um modelo arrojado na execução penal, contempla 24 vagas divididas em local de cumprimento de pena, oficinas de trabalho e lazer e uma creche.

Os filhos das recuperandas poderão ficar com as mães nos primeiros meses de vida. Depois, poderão ser levados para uma creche aa. A mãe terá o direito de ir até a eles para manter os laços familiares.

Ao final da solenidade, um ritual marcou a data. Foi enterrada uma urna contendo fotos, jornais diários, cópia fotográfica das novas instalações a serem erguidas da unidade feminina, cópia da pauta do evento, lista de nomes de autoridades e convidados presentes e relação de nomes da diretoria e dos recuperandos.

A urna com os documentos foram enterrados em uma cova rasa, simbolizando uma cápsula do tempo, para que no futuro seja desenterrada e aberta. O ritual eterniza a ação presente e representa um marco memorial da obra.

Juarez de Azevedo: um presente aos 24 anos de dedicação à Justiça

O juiz Juarez Moraes de Azevedo destacou que a inauguração da Uaitec e o lançamento da pedra fundamental para a construção da Apac Feminina são um presente pela sua atuação na vara criminal. “É um presente que recebo pelos meus 24 anos de atuação na vara criminal. A Apac é um local de transformação profissional, daqui sairão pessoas úteis à sociedade”, enfatizou. Entusiasta do projeto, Dr. Juarez disse que “o sistema penitenciário no Brasil é conhecido como a universidade do crime. Até então, estávamos acostumados a índices que indicavam que a cada 100 presos, 88 eram devolvidos ao crime. Agora, estamos levando e oferecendo oportunidades dessas pessoas ingressarem na faculdade para serem pessoas melhores, dotando-as de capacitação e conhecimento. E esse índice não chegará a 10% ”, informou.

Para Dr. Juarez, “a prisão é como um hospital e uma escola. Primeiro, ela precisa recuperar aquele ‘paciente’ e depois transformá-lo em um indivíduo muito melhor.Ele anunciou que a Apac feminina será inaugurada em maio do ano que vem e que a obra das salas de aula da Uaitec foram construídas em tempo recorde pelos detentos.

“Em tudo esta unidade será um modelo de ressocialização, pois ela dispõe de um método inovador de valorização humana que é a educação. Ele possibilita uma perspectiva mais ampla de proteção da sociedade, com a promoção da Justiça e integração do recuperando. Esta é a essência e a principal diferença entre a Apac e o sistema prisional comum. Aqui eles são co-responsáveis pela sua recuperação e contam com assistências diferenciadas como esta para seu retorno à sociedade como homem de bem”, disse o Juiz.

Ele enfatizou que ao estabelecer uma disciplina rígida, pautada pelo respeito, pela ordem e trabalho, a Apac cria uma metodologia diferenciada na valorização do ser humano e na sua capacidade de recuperação.

De acordo com o Juiz Juarez Morais de Azevedo, os recuperandos da APAC também contam com aulas da Educação de Jovens e Adultos – EJA. São 84 vagas para condenados e o índice de recuperação dos que passam pelo método ultrapassa os 90%, com perfeita reinserção social e profissional.

Ainda segundo ele, há advogados, médicos e administradores de empresas se preparando dentro da Apac. “Dois deles estão fazendo cursos à distância; isso é uma mudança de conceito, é a formação de uma nova cultura”, ressaltou.

Segundo informou Dr. Juarez, os laboratórios da Uaitec contam com 17 computadores de última geração e os cursos serão definidos de acordo com sua utilidade para aquele grupo específico.

Jornal Belvedere

Artigos assinados são de inteira responsabilidade do autor. Não expressando, portanto, a opinião da redação do Jornal Belvedere.

Folhear Última Edição

263

 

Anuncie Aqui2016 05