18 Oct, 2017 Última atualização em 6:38 PM, Oct 9, 2017

Juiz Juarez Morais de Azevedo é sim um “Bom Exemplo 2016”

Dr. Juarez Azevedo: Personalidade do Ano no “Bom Exemplo 2016” Dr. Juarez Azevedo: Personalidade do Ano no “Bom Exemplo 2016”
Publicado em Prêmio & Homenagem
Lido 356 vezes
Avalie este item
(0 votos)

O juiz da Vara Criminal e da Infância e da Juventude de Nova Lima, Juarez Morais de Azevedo é um dos grandes homenageados como “Personalidade do Ano” no Prêmio Bom Exemplo 2016.

A indicação do prêmio é feita por um corpo de jurados composto por personalidades renomadas em sua área de atuação e instituições representativas da sociedade que elegem os vencedores das categorias que não passam pela votação popular e foram indicados por instituições parceiras – Ciência, Cultura, Educação, Economia e Desenvolvimento de Minas, Esporte, Inovação, Meio Ambiente e Personalidade do Ano.

“A notícia chegou de surpresa, mas para mim foi extremamente gratificante receber essa distinção tão especial. É o reconhecimento de um trabalho de praticamente 25 anos dedicados à Nova Lima. Até hoje ainda estou vibrando por ter sido escolhido para receber esse prêmio que é tão importante dentro do Estado”, comentou emocionado o juiz, ao receber o JORNAL BELVEDERE em seu gabinete. “Eu tenho para mim que nunca faço nada para ter reconhecimento, mas quando ele acontece é muito prazeroso. Sempre agi da seguinte forma: eu tenho que cumprir o meu dever. A minha satisfação é essa, cumprir com meu objetivo”, ressaltou.

Ele reiterou que esse é um prêmio não só dele, mas de toda a equipe: “Eu apenas estou aqui representando o trabalho da promotora Dra. Elba, da presidente da Apac, Sandra Tibo, dos nossos recuperandos e funcionários. Porque essa união de forças é que consegue recuperar o homem e devolvê-lo melhor à sociedade e com mais dignidade. Quero dizer que esse é ‘um sonho que se sonha só. Mas que se sonha junto e se torna uma realidade’”, definiu citando um compositor brasileiro.

No último ano, Dr. Juarez Azevedo foi condecorado com outras honrarias. Recebeu a Medalha Jason Albergaria do Tribunal de Justiça, a Medalha da Polícia Militar pelo transcorrer dos 254 anos, uma placa do Conselho de Criminologia pelo destaque do trabalho em prol da execução penal.

APAC Nova Lima

O prêmio recebido vem também fundamentado no trabalho realizado à frente da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados de Nova Lima (APAC Nova Lima). “Hoje estamos com 88 vagas e temos a Universidade Aberta Integrada (UAITEC) dentro da instituição. Quem visita a Associação logo se depara com recuperandos estudando. Essa é a diferença do sistema comum e de um sistema como a Apac”, explica.

Ainda segundo ele, em abril será entregue a unidade feminina com 24 vagas com atuação dentro da mesma metodologia da masculina. Ele explica que todos os prêmios são reconhecimento do realizado, construído sem a ajuda financeira do Estado. “Trata-se do trabalho de um juiz junto com uma promotora e a sociedade nova-limense. A construção e a transformação do projeto em algo palpável se dão inclusive com a mão-de-obra do próprio recuperando. E somente depois de pronta a estrutura é que o Estado vem e equipa a mesma”, comenta orgulhoso.

Para Dr. Juarez “ressocializar é a solução do sistema, pois pelo método comum ele não confere ao cidadão outra chance senão voltar ao crime. Ali entra um ladrão de galinha e sai um doutor em pós-criminalidade. O que estamos fazendo dentro da Apac é receber e preparar o cidadão e devolvê-lo muito melhor e útil à sociedade. Por isso estamos trabalhando em uma cultura de paz e transformando a unidade prisional em uma verdadeira escola. Onde o detento aprende coisas boas para colocar em prática e oferecer às pessoas e a vida.”

A Apac de Nova Lima é considerada modelo. Durante uma visita de uma comissão de deputados federais, que faziam parte de uma CPI do Sistema Carcerário, a vários presídios do Estado e do Brasil, ela ficou no topo do ranking entre as dez melhores do país. A instituição ganhou menção honrosa do Prêmio Innovare em 2011 e já se prepara para apresentar dois projetos: o coral e a universidade aberta.

Além de juiz, Dr. Juarez foi professor e delegado de polícia. Ele faz parte do Conselho  Criminologia do Estado de Minas Gerais, é presidente do Inesp – Instituto Nova-limense de Estudos do Sistema Penitenciário, entidade multidisciplinar que conta com 33 pessoas que estudam ações inovadoras para humanização e aperfeiçoamento dos processos no sistema penitenciário, com foco na construção de uma sociedade justa e democrática. A universidade nasceu dentro do Instituto e próxima etapa é a construção do presídio de Nova Lima.

Ele informou também que está em fase avançada a criação de um centro de memória do sistema penitenciário, um museu com diversas peças que começará inicialmente de maneira virtual. “Já temos cerca de 200 peças, processos e outros itens que contam a história do sistema. Temos lá uma bota que pesa 8 quilos e que foi usada porque uma vez um juiz em Minas Gerais disse que não queria ninguém algemado na frente dele, mas que também não queria que ninguém fugisse. Colocaram então essa bota no preso para ele ser ouvido na frente do juiz”, cita um dos casos. O centro tem também uma das grandes da Delegacia de Tóxicos de Belo Horizonte, a última viatura de transporte de presos da Secretaria de Justiça, bombas de gasolina, aparelhos odontológicos, entre outros.

O Prêmio Bom Exemplo já está em sua sétima edição e tem por objetivo homenagear e levar a público exemplos de trabalho, esforço e realização de pessoas e de organizações que, por meio de uma ótima atuação, lutam por um mundo melhor, mais justo e mais humano. O projeto é uma iniciativa da TV Globo Minas, jornal O TEMPO, Fundação Dom Cabral (FDC) e Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg).

Última modificação em Terça, 12 Abril 2016 16:22
Jornal Belvedere

Artigos assinados são de inteira responsabilidade do autor. Não expressando, portanto, a opinião da redação do Jornal Belvedere.

Folhear Última Edição

269

 

Anuncie Aqui2016 05