21 Jul, 2017 Última atualização em 4:44 PM, Jul 12, 2017

Atenção antecipada para as doenças do Outono/Inverno

Publicado em Saúde & Bem-estar
Lido 123 vezes
Avalie este item
(0 votos)
Tagged sob

Vacinação é a forma mais eficaz de prevenção, mas médicos alertam para o aumento no número de casos da Gripe, Coqueluche e Pneumonia por falta de imunização.

Vacina contra a Gripe estará disponível na rede particular na segunda quinzena de março. Maior circulação do vírus é entre os meses de maio e junho, mas como a vacina demora 30 dias para atingir seu pico máximo de proteção, especialistas indicam antecipar a imunização para a produção do nível adequado de anticorpos.

Em breve entraremos no outono e com ele surgem preocupações quanto às doenças que comprometem o aparelho respiratório, como a Gripe, a Pneumonia e a Coqueluche. Típicas dos meses mais secos e frios, essas doenças são transmitidas pelo contato direto da pessoa doente com outra suscetível (não vacinada), por meio de gotículas de saliva expelidas pela tosse, espirro ou fala.

Os médicos reforçam que a vacinação é uma arma eficaz na prevenção, principalmente dos casos mais graves. “É necessário que todos os grupos indicados sejam vacinados, incluído crianças e gestantes. Os adultos e idosos (este último considerado grupo de risco) precisam reforçar a vacinação, pois com o passar dos anos ocorre a imunossenescencia, que leva a um estado de inadequada atividade do sistema imunológico, propiciando uma maior suscetibilidade a infecções, menor resposta a imunizações deixando-os suscetíveis às doenças. No caso da gripe, independente da idade, a vacinação deve ser anual, pois a vacina só fornece proteção por 6 meses a 1 ano e pode ocorrer variação de cepas entre os anos”, alerta a Dr. Marilene Lucinda, médica especialista em vacinas do Grupo Hermes Pardini.

Quando existe coincidência entre as variantes do vírus influenza em circulação na comunidade e aquelas contidas na vacina naquele ano e eficácia da vacina varia de 70% a 90% contra as formas graves da doença.

A campanha de vacinação do Ministério da Saúde contra a gripe terá início em abril, mas a vacina já estará disponível na rede particular na segunda quinzena de março. Como após a vacinação demora-se 30 dias para atingir-se o pico máximo de proteção, o quanto antes as pessoas se vacinarem melhor. “Assim, quando chegar o período de maior circulação do vírus (maio e junho) elas já estarão com nível de anticorpos adequados para a melhor proteção contra a doença. Por isso, vacinar-se com antecedência, é o ideal”, alerta Marilene Lucinda.

A médica chama a atenção para a vacinação em crianças e idosos. “Crianças menores de dois anos e os idosos têm maior probabilidade de adoecerem e são os mais propensos a apresentar formas graves dessas doenças que podem evoluir para óbito.”

O Brasil tem registrado aumento significativo no número de casos dessas e outras doenças. A Coqueluche, por exemplo, registrou um salto de 979 casos em 2009 para mais de 6 mil casos em 2013. Já a Gripe estima-se que acomete de 5 a 15% da população, causando de 3 a 5 milhões de casos graves e 250.000 a 500.000 mortes todos os anos. De acordo com o Calendário Oficial de Vacinação da Sociedade Brasileira de Imunizações as vacinas contra a Gripe (Gripe Tetravalente), a Pneumonia (Pneumocócica 13 valente) e a Coqueluche (Tríplice bacteriana DPT) devem ocorrer ainda nos primeiros anos de vida. Entretanto, os especialistas chamam a atenção para a importância da vacinação adulta.

Outro fator importante é estar com cartão vacinal em dia para a faixa etária, quanto mais pessoas vacinadas menos circulação dos vírus e menor incidência de transmissão. “É fundamental que a pessoa esteja imunizada não só contra a Gripe, pessoas acima de 50 anos devem tomar a vacina contra a Pneumonia Pneumocócica também.”, esclarece Marilene, que alerta, ainda, para a falta de consciência da população sobre a vacinação. Algumas pessoas, hoje, têm aderido à moda do movimento anti-vacinação. Isso faz com que doenças que já estavam quase erradicadas voltem com força maior. “Exemplo são os pais ideologicamente contra a vacinação na Califórnia/EUA, que gerou número suficiente de pessoas desprotegidas contra o vírus do sarampo, levando à epidemia a alguns anos atrás e disseminação rápida da doença nos EUA e outros países. A vacinação é de extrema importância para a prevenção individual e de toda a população. Chamamos de proteção de rebanho, quanto mais pessoas vacinadas menor circulação do vírus e diminuição progressiva da transmissão entre grupos susceptíveis”, finaliza.

INFORMAÇÕE E DÚVIDAS | Entre em contato com o atendimento ao cliente Hermes Pardini: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Jornal Belvedere

Artigos assinados são de inteira responsabilidade do autor. Não expressando, portanto, a opinião da redação do Jornal Belvedere.

Folhear Última Edição

263

 

Anuncie Aqui2016 05