23 May, 2017 Última atualização em 2:06 PM, May 11, 2017

Honda WR-V • SUV em dose compacta

SEMELHANÇA  | O design inspirado no irmão maior, o HR-V, fica claro principalmente na frente SEMELHANÇA | O design inspirado no irmão maior, o HR-V, fica claro principalmente na frente
Publicado em Veículos
Lido 346 vezes
Avalie este item
(17 votos)
Tagged sob

Por Eduardo Aquino
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

O mercado brasileiro já se transformou no paraíso dos SUV’s, sigla em inglês de utilitário-esportivo. Há espaço para todo tipo e tamanho. Surfando no sucesso que o HR-V vem fazendo no Brasil, a Honda lança em marco o WR-V, um SUV compacto que chega com design interessante, motor 1.5, que gera 116cv (etanol) e câmbio automático do tipo CVT.

A marca japonesa quer aproveitar a boa aceitação que o HR-V vem obtendo no mercado brasileiro – em 2016, o modelo foi líder do segmento, com 55.763 unidades vendidas –, para lançar um SUV ainda mais compacto, ideal para quem quer mais agilidade no trânsito urbano, mas não abre mão de andar na moda do momento, que são os utilitários-esportivos. Aliás, o mercado brasileiro já se tornou um verdadeiro paraíso para os SUV’s e crossovers (uma mistura de utilitário-esportivo com perua).

Como em time que está ganhando não se mexe muito, o WR-V tem linhas inspiradas no HR-V. Elas foram criadas em um projeto liderado pelo time de Pesquisa e Desenvolvimento da Honda Automóveis do Brasil (é a primeira vez que isso acontece na história de 20 anos de fabricação de carros da marca no país) e trazem o DNA global da marca. Buscando destacar a robustez, o modelo tem uma frente elevada, marcante e com grade frontal inspirada no irmão maior. Destacam-se também os faróis com luzes de uso diurno (DRL) em LED.

Linhas harmônicas

O design do WR-V utiliza padrões de forma com desenhos trapezoidais, replicados em várias partes do utilitário-esportivo, como na grade inferior frontal, nas rodas, nas molduras dos para-lamas e em outros pontos-chave do modelo. A lateral e a traseira trazem traços mais horizontais e lanternas que se prolongam pela linha de cintura, que são complementados pelo friso cromado na tampa traseira e pelo para-choque com molduras envolventes. Geralmente os designers têm dificuldade com a harmonia do conjunto estilístico em SUVs muito compactos, mas não foi o caso do WR-V.

Com de 2,55m de entre-eixos (o que, em teoria, pode garantir um bom espaço interno), 4 m de comprimento, 1,73 m de largura e 1,6 m de altura, o WR-V traz medidas compactas que privilegiam a agilidade (estacionar, se livrar de engarrafamentos) na cidade grande. Por outro lado, os 17,9cm de vão livre do solo e os ângulos de ataque e saída de 21º e 33º, podem garantir uma boa desenvoltura fora do asfalto. Também contribui para isso a suspensão com amortecedores com batente hidráulico e diâmetro de cilindro reforçado, barra estabilizadora robusta, projetada para minimizar a rolagem da carroceria, garantindo estabilidade mesmo com uma altura do solo mais elevada.

Interior modulável

Uma das inovações do interior do WR-V é o sistema de bancos ULTRa SEAT (Utility Long Tall Refresh), que possibilita diversas configurações de assentos e a acomodação de objetos de grandes dimensões. O modo Refresh permite ainda assoalho plano, que amplia o espaço útil para bagagens. Os bancos envolventes têm novas padronagens de revestimento, que variam conforme a cor da carroceria. São duas combinações de cores do revestimento navalhado: preto e prata ou preto e laranja. Destacam-se ainda o friso horizontal do painel e o quadro de instrumentos com computador de bordo multifunções Bluemeter.

O WR-V é equipado com o motor 1.5 i-VTEC FlexOne, com controle eletrônico variável de sincronização e abertura de válvulas. Com isso, o modelo consegui baixo nível de consumo, obtendo nota A na avaliação do Conpet na categoria “esporte utilitário compacto”. Com etanol, esse propulsor gera 116cv de potência (a 6.000rpm) e 15,3 kgfm de torque (a 4.800rpm). Com gasolina, são 115cv (a 6.000 rpm) e 15,2kgfm (a 4.800 rpm). O motor está acoplado a um câmbio automático do tipo CVT, com conversor de torque, buscando proporcionar uma resposta mais rápida e aceleração linear.

Última modificação em Terça, 14 Fevereiro 2017 17:27
Jornal Belvedere

Artigos assinados são de inteira responsabilidade do autor. Não expressando, portanto, a opinião da redação do Jornal Belvedere.

Folhear Última Edição

258

 

Anuncie Aqui2016 05