21 Oct, 2017 Última atualização em 6:38 PM, Oct 9, 2017

Renault Captur • O manequim é do Duster, mas o figurino é francês

imponente | Na frente, destacam-se a grade em forma de “U”, as luzes diurnas em “C” e o capô bem inclinado imponente | Na frente, destacam-se a grade em forma de “U”, as luzes diurnas em “C” e o capô bem inclinado
Publicado em Veículos
Lido 450 vezes
Avalie este item
(17 votos)
Tagged sob

Por Eduardo Aquino
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Andamos na versão mais sofisticada do Captur, que usa a mesma base do Duster, mas com um design no melhor estilo francês. Além das bonitas linhas modernas, o modelo tem como pontos positivos o espaço interno, tanto para passageiros como para bagagens; e a boa altura do solo. Por outro lado, a dupla motor 2.0 e câmbio automático de quatro marchas proporciona um desempenho apenas razoável.

O design do Captur segue a nova identidade visual da marca francesa. Inspiradas no conceito que foi exibido no Salão de Genebra de 2011 e depois mostrado no Salão do Automóvel de São Paulo de 2012, as linhas foram desenvolvidas pelo Technocentre da Renault, na franca, em parceria com o Renault Design América Latina (RDAL), em São Paulo. Para tornar possível a produção do modelo na fábrica de São José dos Pinhais (PR), a marca optou pela plataforma mecânica do Duster, ou seja, motor 1.6 ou 2.0, aliados aos câmbios manual, automático ou CVT.

Realmente, um dos principais atrativos do Captur é o seu visual moderno e elegante. A começar pela pintura em dois tons, que possibilita uma boa dose de personalização: o teto pode ser preto ou marfim e a carroceria, preta, branca, marrom, laranja, marfim, vermelha, prata ou cinza. Destaque para as luzes diurnas de LED, no formato de “C” ao redor dos faróis de neblina; o capô em curva, os acentuados vincos laterais, as lanternas traseiras em LED e o friso cromado abaixo da tampa do porta-malas.

Por dentro, ele também é bem mais refinado que o Duster. O painel tem desenho equilibrado, colocando em destaque no centro a tela de sete polegadas (do tipo touchscreen) do sistema multimídia Media Nav, com GPS integrado, Bluetooth® e câmera de ré. Um comando satélite junto ao volante possibilita ao motorista o acesso à várias funções. Os instrumentos (analógicos e digitais) têm boa visualização. A chave do tipo cartão é prática, pois apenas com a sua presença permite a ignição e o destravamento das portas e porta-malas.

O espaço interno acomoda com conforto cinco adultos, com destaque para o banco traseiro. O porta-malas tem bom acesso e boa capacidade (437 litros). Outros itens positivos da cabine que chamaram a atenção foram o baixo nível de ruídos, o bom número de porta-trecos (nos painéis de porta, console central, painel de bordo e porta-luvas) e a boa posição de dirigir, com ampla visibilidade e acesso fácil aos principais comandos. Por outro lado, falta ar-condicionado de duas zonas, indicação no painel da marcha engatada no modo de troca manual e ajuste de distância da coluna de direção.

A versão que avaliamos, a Intense, que é a topo de linha, tem o mesmo conjunto mecânico do Duster: motor 2.0 16V e câmbio automático de quatro marchas. Na prática, o desempenho atende bem no trânsito urbano e para manter um bom ritmo de viagem, mas é um pouco limitado, principalmente nas acelerações e retomadas e no consumo. As trocas de marchas são suaves e as retomadas melhoram quando se usa as trocas manuais, por meio da alavanca.

Com gasolina no tanque, ar desligado, na função Eco (que contribui para a economia de combustível) e apenas o motorista, o computador de bordo registrou médias que não ultrapassaram 8,5km/l na cidade e 11km/ na estrada. Um câmbio mais moderno e sistema Start-Stop poderiam ajudar bastante a melhorar esses números. A suspensão surpreendeu pela boa estabilidade, principalmente para um carro com o centro de gravidade um pouco elevado como o Captur. Por outro lado, o conforto ficou um pouco prejudicado. A direção poderia ser mais leve em manobras.

Ficha Técnica

Motor – 2.0 16V, que gera potências de 143cv (etanol) e 148cv (etanol) a 5.750rpm e torque de 20,9kgfm com ambos os combustíveis a 4.000rpm • Câmbio – Automático de quatro marchas, tração dianteira • Suspensão – McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira • Freios – Disco ventilado na dianteira e tambor na traseira • Direção – Assistência elétrica • Dimensões – Comprimento, 4,32m; largura, 1,81m; altura, 1,61m; e entre-eixos, 2,67m • Tanque – 50 litros • Peso – 1.352 quilos • Porta-malas – 437 litros.

Preço - R$ 91.900. Com os opcionais, R$ 96.300.

• Equipamentos de série – Airbags laterais, controle de estabilidade, assistente de partida em rampa, Sistema Isofix, rodas de liga diamantadas de 17 polegadas, alarme perimétrico, controle automático de velocidade, sistema Media Nav com tela de sete polegadas, câmera de ré, ar-condicionado automático, sensores de chuva e crepuscular e faróis de neblina direcionais • Opcionais – Bancos em couro e pintura em dois tons.

Jornal Belvedere

Artigos assinados são de inteira responsabilidade do autor. Não expressando, portanto, a opinião da redação do Jornal Belvedere.

Folhear Última Edição

269

 

Anuncie Aqui2016 05