22 Aug, 2017 Última atualização em 4:31 PM, Aug 11, 2017

Minas precisa preservar mais o meio-ambiente

Publicado em Meio Ambiente
Lido 428 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Por  Deputado Fred Costa

No último dia 5 de junho, comemoramos o Dia Mundial do Meio-Ambiente. A data, instituída desde 1974, tem sido um dos principais veículos das Nações Unidas para conscientizar e instigar ações acerca da preservação do meio ambiente e da busca pelo desenvolvimento sustentável. Infelizmente, justamente agora, ao final de maio, um relatório técnico da Fundação SOS Mata Atlântica e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais aponta que Minas Gerais é o segundo estado brasileiro que mais desmatou a Mata Atlântica no período de 2015 e 2016, ficando atrás apenas da Bahia.


É verdade que Minas é o Estado que abriga a maior área de mata atlântica no país, e por isso há a tendência natural de ter os maiores índices de desmatamento. A atividade agropecuária, na qual o nosso Estado assume uma posição de protagonismo, não só nacionalmente, como mundialmente, e a forte expansão urbana que estamos atravessando nas últimas décadas certamente também contribuem para estes índices. Entretanto, nada justifica a destruição de 7.410 hectares do bioma em um espaço tão curto de tempo. É preciso que o poder público adote uma posição ambiental mais efetiva.

E essa leniência em relação à proteção do meio-ambiente no nosso estado não se limita apenas à Mata Atlântica. Ainda sofremos as consequências da displicência criminosa que levou ao episódio do rompimento da barragem na cidade de Mariana. Naquela oportunidade, fui um dos únicos deputados a empenhar esforços para a instauração de uma CPI com o fim de apurar o assunto. No entanto, no nosso estado é muito difícil combater os interesses de mineradoras. Em 2014, por exemplo, levamos para a Assembleia Legislativa a pauta da ampliação da Estação Ecológica de Fechos, que é responsável pelo abastecimento de água de 300 mil pessoas em Belo Horizonte, além de abrigar uma diversidade de espécies raras e ameaçadas de extinção. Havia o interesse de uma mineradora de explorar o local, apesar do risco de contaminação das nascentes. Buscávamos a proteção, mas nos víamos nessa bandeira quase que como uma voz solitária no legislativo estadual.

Reconheço a importância da atividade minerária para a nossa economia, mas é fundamental que tudo seja feito de acordo com uma legislação e protocolos rigorosos, que assegurem a preservação ambiental. É preciso ter a consciência de que os seres humanos também são passíveis a este tipo de tragédia, quando aceitamos esse grau de inobservância aos impactos no ecossistema.

Em dezembro de 2013, fui criticado por alguns parlamentares, por defender a Mata do Cercadinho, que fica entre a BR-040 e o Buritis. No apagar das luzes, tentaram aprovar a redução da estação ecológica, de 224 para 154 hectares. O objetivo, lamentavelmente, era o de verticalizar. Entregar o espaço para construtoras levantarem prédios. Intervimos imediatamente, fizemos uma bagunça na casa, mas conseguimos impedir essa atrocidade.

Mais recentemente, no bairro Luxemburgo de Belo Horizonte, tivemos o caso de uma construtora que pretendia levantar um prédio de 106 apartamentos ao lado da área de preservação ambiental da Mata do Mosteiro. A administração anterior da Prefeitura já estava com processos avançados para flexibilizar a legislação e permitir o empreendimento, quando moradores dos arredores me procuraram. Protestamos. Levamos a questão ao Ministério Público, nos reunimos com representantes do executivo municipal, e conseguimos até então barrar o projeto de operação urbana. Se não fosse pela sociedade civil organizada e pelo nosso mandato, o poder público teria beneficiado o interesse individual, em detrimento ao ambiental e ao bem estar coletivo, já que os moradores do bairro se manifestaram massivamente contra a construção. É esse tipo de mentalidade que tem que mudar!

Devemos buscar o desenvolvimento, mas aquele que seja sustentável e zeloso com as gerações futuras, que herdarão o planeta nas condições que deixarmos. Por isso, nessa data do dia 5, é importante que você empenhe pelo menos alguns minutos do seu dia, e passe esta mensagem de preservação adiante.

Comente com seus familiares, com amigos ou colegas de trabalho sobre alguma questão ecológica que tenha lhe chamado a atenção. Poder ser algo que você tenha visto na TV, no jornal, ou mesmo uma questão nas proximidades do seu bairro. Mas vamos chamar a atenção para a importância de preservar a natureza. Esta é a missão que deixo hoje para todos aqueles que buscam por um futuro mais limpo e verde.

Presidente da Comissão de Assuntos Municipais da Assembleia Legislativa de Minas Gerais

Jornal Belvedere

Artigos assinados são de inteira responsabilidade do autor. Não expressando, portanto, a opinião da redação do Jornal Belvedere.

Folhear Última Edição

265

 

Anuncie Aqui2016 05