30 Apr, 2017 Última atualização em 2:22 PM, Apr 27, 2017

Começa a corrida pela Prefeitura de BH - Parte III

Publicado em Política
Lido 855 vezes
Avalie este item
(0 votos)
Tagged sob

O JORNA BELVEDE apresenta os três últimos nomes dos 11 candidatos que disputam as eleições para a Prefeitura de Belo Horizonte em 2016. Abaixo um perfil dos candidatos: Maria da Consolação (PSOL), Sargento Rodrigues (PDT) e Marcelo Álvaro Antônio (PR).

Maria da Consolação (PSOL)

Maria da Consolação é a candidata do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) a prefeita da Capital. O PSOL faz coligação com Partido Comunista Brasileiro (PCB) e o seuvice-prefeito é Pablo Lima (PCB), professor da UFMG.  

Maria da Consolação tem 53 anos. Doutora em Educação. Professora da rede municipal e da UEMG e preside o PSOL. A candidata é ligada a movimentos sociais de Belo Horizonte e já concorreu à prefeitura em 2012.

Maria da Consolação afirma que é possível viabilizar o passe livre no transporte coletivo para toda a população, “dentro de um planejamento” e que para isso acontecer basta “dar transparência e refazer os contratos da PBH com as empresas de ônibus”. Outra bandeira da candidata do PSOL é o metrô de BH, em especial a linha que ligaria o Calafate ao Barreiro.

Educação e espaços coletivos

Sobre segurança pública, Maria da Consolação diz que o combate à criminalidade não se faz com Guarda Municipal armada e, se eleita prefeita, vai investir em educação, lazer e nos espaços coletivos da cidade para garantir mais qualidade de vida e minimizar a violência.

Sobre a atual gestão Maria da Consolação diz: “Nós temos feito críticas e participado da luta de resistência à política privatista do Marcio Lacerda, de privatizar parques, praças, cemitérios, saúde, educação, e de fazer essa perseguição a ocupações urbanas.  Nosso programa é um acúmulo do programa de 2012, que foi construído coletivamente e foi aprofundado agora. Ele apresenta dois eixos centrais, que são a radicalização da democracia com a construção do poder popular e o direito à cidade. E nós começamos o programa organizando em quatro blocos: primeiro, quem somos e quem terá prioridade no nosso governo.

Nós somos homens, mulheres, descendentes indígenas, de africanos, somos LGBTs, jovens, idosos, crianças e adolescentes, somos negros. Essa diversidade será a prioridade do nosso governo.”

Sargento Rodrigues (PDT)

O Partido Democrático Trabalhista (PDT) tem como candidato a PBH o deputado estadual Sargento Rodrigues, 52 anos, nascido em Itupeva (BA). Formado em Direito e bacharel em Comunicação Social e pós-graduado em Estudos de Criminalidade e Segurança Pública pela UFMG. É sargento da reserva da PMMG e ganhou impulso na política após se destacar como um dos líderes do movimento reivindicatório dos policiais em 1997.

Ao lançar sua candidatura, Sargento Rodrigues apresentou uma cartilha com “12 passos para o futuro”, que traz as propostas do partido para a administração da Capital.

Saúde e segurança pública

No texto de apresentação da Cartilha, Sargento Rodrigues promete um novo jeito de fazer política: “Estou cansado de ver sempre as mesmas pessoas, os mesmos discursos, os mesmos interesses, os mesmos campos políticos. Nossa cidade merece ser melhor”.

Rodrigues afirma que deseja ser prefeito de BH por “nós representarmos o novo. Além de querer o novo, o eleitor não quer os caciques tradicionais da política. As prioridades da população são as áreas da saúde e segurança pública. Então, partindo desse pressuposto, o eleitor quer é uma pessoa de pulso firme, séria, confiável, que tenha dado demonstração, ao longo de sua trajetória, dessas características e que seja realmente comprometida com o bem-estar da coletividade”.

Outra questão, apontada pelo candidato, vem como o principal problema de BH é a segurança pública. ‘Nós temos duas maneiras claras de atuar nessa área. Primeiro, utilizar as agências municipais: Guarda Municipal, BHTrans, Secretaria de Regulação Urbana e a Vigilância Sanitária, aliadas ao Código de Postura, que é uma ferramenta extremamente importante para a segurança pública. A outra ponta é utilizar formas de diminuir os índices de violência por meio da prevenção social. São duas frentes muito importantes.”

Marcelo Álvaro Antônio (PR)

O deputado federal Marcelo Álvaro Antônio disputa a PBH pelo Partido da República (PR). O candidato é empresário, nascido em Belo Horizonte, tem 42 anos e é filho do ex-deputado federal Álvaro Teixeira Dias. Na política já foi vereador na Capital e atualmente está em seu primeiro mandato como deputado federal. Eleito pela primeira vez em 2012, Marcelo foi um dos vereadores mais bem votados de BH e sagrou-se majoritário na região onde nasceu e ainda vive, o Barreiro.

Na Câmara Municipal de Belo Horizonte, ele apresentou inúmeros projetos que ampliam a participação do cidadão nas decisões públicas da cidade e iniciou sua luta junto aos órgãos próprios pela construção da linha 2 do metrô, obra que os barreirenses esperam há quase 30 anos.

Como candidato a Prefeitura de BH, Marcelo Álvaro Antônio diz que a “a proposta passa por encarar de frente os problemas das áreas de maior vulnerabilidade da cidade e construir um plano de governo dialogando com a população”.

Segurança

Segundo o candidato, uma de suas prioridades, se eleito, será com a segurança pública. Em viagem a Recife, Marcelo Álvaro visitou uma unidade do Centro Comunitário da Paz (Compaz), equipamento da prefeitura da capital pernambucana que oferece serviços diversos à população. A ideia do deputado é adaptar o modelo, que une estruturas para prática esportiva, biblioteca, atendimentos psicológicos e acompanhamento escolar para BH.

“O Compaz foi implantado numa área de grande vulnerabilidade e está produzindo uma verdadeira transformação social”, afirmou Marcelo Álvaro, que batizou a “versão” mineira de BH Vida. O candidato quer implantar ao menos uma unidade em cada uma das nove regionais de Belo Horizonte.
Segundo ele, a implementação de cada unidade custaria R$ 10 milhões, sendo R$ 150 mil mensais para manutenção. “É completamente viável para o Orçamento de R$ 10,8 bi (previsto para 2017)”, disse.

Jornal Belvedere

Artigos assinados são de inteira responsabilidade do autor. Não expressando, portanto, a opinião da redação do Jornal Belvedere.

Folhear Última Edição

258

 

Anuncie Aqui2016 05