23 Nov, 2017 Última atualização em 1:26 PM, Nov 13, 2017

Plano de Mobilidade Urbana: ações para o futuro

Publicado em Trânsito
Lido 237 vezes
Avalie este item
(0 votos)
Tagged sob

Entidades representativas dos moradores e autoridades debatem o Plano de Mobilidade Urbana (PlanMob) e apontam ações para elaboração de uma agenda positiva de discussões sobre o tema.

Moradores de Nova Lima, entidades e representantes da UNIVIVA iniciaram a primeira discussão, durante Audiência Pública, sobre o Plano de Mobilidade Urbana (PlanMob) do município. O plano, conforme definiu o secretário de Planejamento, André Rocha, durante o encontro, “é o principal instrumento de planejamento dos sistemas de circulação e transporte da cidade, pois traça os objetivos e ações para o futuro do município, com relação ao desenvolvimento urbano e à mobilidade. Segundo André Rocha, através do PlanMob serão definidas as propostas e diretrizes para que o município possa solucionar as questões relacionadas à mobilidade, acessibilidade e segurança, e o tão discutido deslocamento cotidiano de uma cidade cujo núcleo se mantém distante de suas regionais e distritos.

Segundo André Rocha, até à realização da Audiência já haviam sido concluídas as etapas de definição do plano de trabalho e levantamento de dados. Encontra-se em curso, porém, a fase de instrumentalização da análise e diagnóstico. O relatório final está previsto para o mês de maio do p´roximo ano.

Nova Audiência

Em fevereiro de 2018, será realizada uma nova Audiência Pública para apresentação das diretrizes a serem adotadas. Assim, após 2018, conforme determina a Legislação, a verba federal recebida pelo município para o setor somente poderá ser alocada em ações previstas e contempladas dentro desse projeto.

UNIVIVA apresenta propostas ao PlanMob

Após a participação nessa primeira conferência, a UNIVIVA, através de seu diretor, Luciano Medrado, apresentou algumas considerações ao PlanMob para a construção de uma agenda positiva durante os debates. Ao todo foram apresentadas seis propostas. A primeira, que o plano precisa ser inserido nos fundamentos do desenvolvimento sustentável - economicamente, socialmente e ambientalmente. Para a UNIVIVA, a mobilidade urbana em seu conceito mais direto trata da movimentação das pessoas, dos veículos e das cargas pela infraestrutura viária da cidade, tendo como origem ou destino o trabalho, a escola, o consumo, lazer, saúde e a volta para casa.

Para Medrado, deve ser ressaltado ainda “que a vitalidade das cidades é medida pelo seu potencial econômico e social, ou seja a sua capacidade de geração de emprego e renda. Por outro lado, pelas pesquisas – Origem e Destino - já realizadas, o deslocamento das pessoas em direção ao emprego alcança quase 50% da mobilidade urbana”.

A segunda proposta, é que o PlanMob siga a legislação federal e contemple a distribuição e o abastecimento de Nova Lima. Segundo ele, em vários países, a logística urbana engloba toda a logística de movimentações de pessoas e cargas, de infraestrutura viária, inteligência, tecnologia (ITS), equipamentos urbanos e meio ambiente urbano – smart city. “Nos centros urbanos desenvolvidos a logística urbana tem amplitude específica da distribuição de produtos e do abastecimento urbano – city logistic.

A terceira proposta é que o PlanMob seja capaz de mobilizar os vários atores da sociedade: sociedade civil organizada, entidades de classe do setor produtivo, escolas de todos os graus, movimentos sociais, sindicatos e entidades profissionais, poder político e poder público. Ou seja a mobilidade sob a percepção da sociedade.

A proposta seguinte, é que o PlanMob seja essencialmente integrado no Plano Diretor de Uso e Ocupação do Solo de Nova Lima e alinhado com o Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado da Região Metropolitana de Belo Horizonte (PDDI). Segundo ele, Minas apresenta 37 arranjos populacionais e somente um foi classificado como uma ‘Grande Concentração Urbana’. “O maior arranjo do Estado, limítrofe com o município de Nova Lima, BH, é uma Grande Concentração Urbana formada pela Capital e outros 21 municípios”, exemplificou.

Outra consideração apresentada é que o PlanMob retrate uma cidade inteligente e sustentável economicamente, socialmente e ambientalmente, em observância a emissão de poluentes veiculares.  A penúltima proposta é que o PlanMob seja capaz de propor ações de curto, médio e longo prazos, com o lastro de políticas públicas. Ou seja, que sejam apontadas soluções para o caos urbano através de gestão dos conflitos e ordenamento da cidade e de trânsito. Por fim, Luciano Medrado propõe a criação, pelo Conselho da Cidade de Nova Lima, de uma Câmara Técnica/Grupo Técnico de Trabalho para acompanhar, avaliar e monitorar as várias etapas da elaboração do PlanMob.

Jornal Belvedere

Artigos assinados são de inteira responsabilidade do autor. Não expressando, portanto, a opinião da redação do Jornal Belvedere.

Folhear Última Edição

271

 

Anuncie Aqui2016 05