Siracusa, por onde passa a civilização ocidental

Publicado Quinta, 15 Fevereiro 2018 16:08
História: Parque Arqueológico Neapolis, com seu maravilhoso Teatro Grego História: Parque Arqueológico Neapolis, com seu maravilhoso Teatro Grego

Paulo Queiroga / Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Cidade na Sicília, é um lugar para quem tem olhar sensível para a história. Na verdade, um tesouro e um museu arqueológico único.

Para aproveitar melhor a estada em Siracusa, o viajante deve, antes, fazer uma boa pesquisa sobre a história do lugar. Aliás, este é um bom hábito, dos bons viajantes, que enriquece a viagem em qualquer destino. Se não, verá apenas uma quantidade de ruínas e vai se tirando fotos e “selfs” aleatórios, sem saber exatamente do que se trata aquela ou outra cena fotografada.

Siracusa, na Sicília, é um lugar para quem tem olhar sensível para a história. Um tesouro e um museu arqueológico único. Estar lá é como admirar, em um só lugar, a formação da nossa civilização numa imensa tela de cinema.

Eternizadora de homens

Construída sobre um antigo assentamento fundado pelos Coríntios, em 734 aC. Siracusa tornou-se a polis grega mais poderosa na Sicília. Em torno do ano 480 aC, a cidade rivalizava com Atenas, tanto econômica como politicamente, como a mais importante do mundo na antiguidade.

Terra natal de homens que se eternizaram, como o matemático, físico, engenheiro, astrônomo e inventor, Arquimedes; também nasceu ali o pai da tragédia grega, Ésquilo; e lá trabalhou o poeta, Píndaro, autor da famosa frase “Homem, torna-te no que és”.  Tamanha é sua importância, que Platão, em 498 aC, enxergava Siracusa como o cenário da sua utópica “A República.”

A cidade, aberta para o mundo, teve também um papel importante na propagação do judaísmo e do cristianismo no Mediterrâneo e, depois, por toda Europa. O apóstolo Paulo visitou Siracusa, em 59 dC e, provavelmente, pregou na Giudecca, o bairro judeu, onde está a igreja medieval de S. João Baptista.

O Templo de Apollo (ou Artemis), que, depois, se converteu em uma igreja cristã é, provavelmente, o templo grego mais antigo na Sicília. Construído no século V aC, na Piazza Duomo, é um dos poucos exemplos sobreviventes na antiga Magna Graecia. Um anfiteatro grego, literalmente esculpido na rocha, e também um romano, compõem o cenário. O teatro grego é semicircular e aberto; enquanto o romano é oval e fechado. No parque arqueológico, o Altar de Geron II e a “Orelha de Dionísio”, o que, provavelmente, era uma pedreira de calcário, são as surpresas.

A herança medieval nesta velha cidade também não pode ser esquecida. O antigo bairro residencial, do outro lado da ponte Nuovo é a ilha de Ortigia, centro da civilização grega, bizantina e judaica. Um labirinto medieval cercado de magia. As arquiteturas grega e romana são onipresentes em Ortigia. O Palazzo Montalto, perto da Piazza Archimede, foi construído em 1397 no estilo chamado “Chiaramonte Gothic”.

Siracusa é assim. Destino para viajantes sensíveis e universais. O Palácio Bellomo, na Via Capodieci abriga a Galeria de Arte. A coleção inclui a “Assunção” de Antonello da Messina e outras obras de arte universais.

Para visitantes

Exceto para incursões no grande sítio arqueológico e no Museu Orsi na cidade “moderna”, você provavelmente vai querer passar seu tempo em Ortigia. Com suas ruas estreitas e tráfego restrito, esta ilha faz com que passear a pé uma alegria. Tanto quanto amamos Taormina, os cognoscenti consideram a Ortigia menos atrativa como uma alternativa agradável. A ilha está cheia de bons hotéis. Um favorito para intelectuais e abutres culturais em busca de uma atmosfera genuína é Alla Giudecca na Via Alagona acima do mikvehhipogeum.

Sim, há praias nas proximidades, e não há falta de bons restaurantes em Ortygia, mas sugerimos que evite aqueles que oferecem “menus turísticos” em favor das encantadoras trattorias, pizzarias e restaurantes de frutos do mar nas ruas estreitas, longe das maiores praças.
As especialidades de frutos do mar são sazonais até certo ponto. As massas com mexilhões e ouriços são especialmente saborosas, mas mais disponíveis na primavera e no outono do que no verão. Veja a página do restaurante para algumas sugestões. O Festival Saint Lucy é realizado nos dias 12 e 13 de dezembro.

Um jornal moderno, com a credibilidade e a leveza no jeito diferente de informar. Notícias, cultura, gastronomia, negócios, eventos e muito mais sobre um dos bairros mais charmosos de BH.

31 3264.0211 | 3286.1181

Edição Digital

Inscreva-se e receba o Jornal Belvedere em formato PDF.

Não mandaremos Spam!